And just like that

Esse texto contém spoilers!!

A série se despediu dos fãs com o último capítulo da primeira temporada. O reboot de Sex and The City traz Carrie e suas best friends na casa dos 50 anos. Agora a novidade é que a personagem Samantha está fora do elenco.

Os (apenas) dez episódios dessa temporada – por mim, poderia ser mais – abordam luto, relacionamentos, sexualidade, recomeços, amizade. Ao longo dos anos, através da série e depois em dois filmes, a história de Carrie, Miranda e Charlotte, que começou aos trinta e poucos, foi acompanhando os dilemas então vividos pelas personagens: a busca pelo amor, amizade, o mundo dos solteiros, casamento, maternidade.

Agora, mais maduras, realizadas e bem sucedidas, elas vão viver outras peripécias. Começando com a principal mudança que me pegou super desprevenida: a morte de Mr. Big (#chateada) já no primeiro episódio. Viúva, Carrie vai ter que se reencontrar e redescobrir a vida agora sozinha. Charlotte enfrenta os desafios de ser mãe de adolescentes e Miranda está redescobrindo sua sexualidade.

A protagonista Carrie não abandonou a escrita, mas está também se aventurando agora em um podcast sobre relacionamentos – novos tempos, novos formatos – e ela se mostra bem desenvolta na função. No quesito looks, ela continua não decepcionando, ao contrário, só surpreende. Ela volta trazendo muita informação de moda com looks atualizados, mas também inspirações do passado – inclusive, algumas peças da série e do filme reapareceram agora, como o icônico scarpin azul Manolo Blahnik usado em seu casamento, o broche de flor e a bolsa estilo Baguette de lantejoulas da Fendi que foi relançada em 2019 (e da qual Sarah Jessica Parker faz parte da campanha como garota-propaganda).

A série ainda não teve a segunda temporada confirmada, mas a expectativa é grande. Para os fãs, a HBO também soltou um documentário chamado “And Just Like That…The Documentary” que mostra o behind the scenes da série, um bate-papo com as atrizes, e, claro que não poderia faltar um belo tour pelo acervo de figurino. Seguimos aguardando a continuação!

A última carta de amor

No dia que assisti, comentei nos stories do Instagram (me segue lá @fabiolamininel) como adoro ver filmes baseados em livros que já li. Embora geralmente seja bem diferente, é muito gostoso ver aquela história, que antes fora criada na sua cabeça, tomando vida na tela e você até comparando alguns elementos.

A Última carta de amor, baseado no livro homônimo de Jojo Moyes, conta a história de um casal apaixonado dos anos 60 que vive um romance proibido e acaba separado por rasteiras do destino.

Eles se comunicam por cartas de amor que acabam perdidas com o passar dos anos. Corta para os dias atuais. Uma jornalista descobre uma das cartas no arquivo do jornal onde trabalha e seu radar apita para uma possível história interessante.

Ela vai atrás e consegue encontrar os personagens das cartas. O restante é preciso assistir para saber rs.

A história trata de amor, traição, posição da mulher naquela época.

Mas o que me chamou bastante atenção foi o figurino da protagonista. Um mais lindo que o outro. Silhuetas bem femininas, minimalistas, peças em tweed, chapéus, trench coat. Algumas produções eu usaria tranquilamente nos dias de hoje. Separei alguns looks para mostrar aqui.

Perdoe a qualidade de algumas imagens. Como não encontrei muitas fotos na internet, fotografei a tela da TV.

Ah, esqueci de mencionar que o filme está disponível na Netflix! Depois me conta o que achou!

Série: The Bold Type

Esse texto contém spoiler!

A série que estreou há pouco tempo na Netflix está cheia de assuntos importantes e que valem nossa reflexão, porém, embrulhados num entretenimento leve e gostoso de assistir com elementos que eu amo e são importantes pra mim: amigas, moda, jornalismo e Nova York. Fórmula perfeita!

A história gira em torno das três amigas que são protagonistas da série: Jane, Sutton e Kat. Elas trabalham em uma importante revista feminina e compartilham histórias de amizade, relacionamentos amorosos, carreira, família e vários outros.

Como eu disse, as mensagens são muitas, mas resolvi separar alguns tópicos para contar aqui:

Jornalismo
A história gira em torno de três amigas que trabalham na Scarlet, uma importante revista de moda em Nova York. Jane, uma das protagonistas, é jornalista, e entre drinks e confissões de suas bffs no closet da revista, busca inspiração e fontes para suas pautas. Sou jornalista e amo escrever, e me identifiquei logo de cara com essa personagem.

Moda
A revista cobre diferentes assuntos e um de grande destaque é a moda. Sutton é a personagem que sonha em trabalhar nessa área e batalha por uma vaga de assistente de moda, quando produz e faz o styling de lindos ensaios de fotos. Os looks das protagonistas também não ficam atrás no quesito fashion.

Empoderamento feminino
Mulheres fortes, que sabem o que quer, que não se calam, que buscam o próprio prazer, que lutam por espaço no ambiente corporativo. São alguns dos ângulos mostrados na série.

Influência digital
A série começa em 2017 e já mostra fortemente a presença e força do digital, tanto na vida pessoal, como na trajetória de marcas como a revista Scarlet. Como um Tweet pode alavancar ou enterrar uma pessoa (e/ou marca) e sua carreira.

Líderes humanizados
A série foge totalmente do estereótipo de chefe carrasco, que põe medo e humilha seus funcionários. Muito pelo contrário. Jacqueline, a editora-chefe da revista, age sempre com muito cuidado, carinho e dá direcionamento. É exigente e sabe tirar o melhor de cada um deles, sem perder o lado humano.
Oliver, stylist e chefe de Sutton, também cria uma relação de carinho e cumplicidade com sua pupila. Bonito de ver os ensinamentos que ele passa e até conselhos amorosos.

Maternidade
É um assunto sobre o qual adoro falar. Na série ele aparece através da Jacqueline, editora de sucesso da revista Scarlet, que divide a vida profissional e o casamento com dois filhos.
Sutton também aborda esse tema quando perde um bebê e se sente aliviada. Ela então se dá conta de que não quer ser mãe e isso se torna uma questão no seu casamento.
Outro viés desse assunto aparece quando Jane descobre, aos 26 anos, que possui uma mutação genética que indica grande chance de ter câncer de mama e, entre outras decisões difíceis que terá de tomar, precisa pensar sobre se quer ter filhos ou não para poder congelar óculos.

Bem, esses são alguns pontos que achei interessante destacar. Mas na série ainda se fala muito sobre sexismo, racismo, diversidade, rótulos, sexualidade… Tudo envolvido de humor, amizade das protagonistas, bons drinks e, claro, Nova York, que é sempre um charme.
As quatro temporadas estão disponíveis na plataforma e já espero por uma quinta em breve. Mal terminei e já me sinto órfã da série. Quem também se sente assim quando termina uma que gosta muito?

Dica de série: O Paraíso e a serpente

Pode conter spoiler

A série da Netflix que está nos últimos dias entre os top 10 e tem sido comentada nas redes tem oito episódios de aproximadamente uma hora cada. Mas você fica tenso e grudado na tela, especialmente nos três primeiros episódios.

A história, que é baseada num caso real (guarde bem essa informação), se passa em Bangkok, na Tailândia dos anos 70. Um homem que se apresenta como Alain Gautier (mais adiante descobrimos que o verdadeiro nome é Charles Sobhraj, vendedor de gemas, leva a vida aplicando golpes em jovens do mundo todo que viajam ao país a passeio.

Ele é sedutor, convincente, sabe levar as pessoas no papo, e quando se vê, não restou nada para contar história. Ele dopa as pessoas colocando remédio nas bebidas e leva tudo que elas têm.

Mas ele não faz isso sozinho. Tem a ajuda do comparsa Ajay e da companheira Monique (ou Marie-Andrée) que o fazem passar por um homem de negócios bem sucedido e contribuem em todo o esquema.

Ele faz tudo com muita frieza e não procura se esconder de ninguém. Até que ele aplica o golpe e mata um jovem casal de holandeses. Esse caso cai nas mãos do incansável diplomata holandês que trabalha na embaixada da Tailândia, Herman Knippenberg, que sente cheiro de coisa estranha e começa a investigar.

Ele enfrenta muita resistência por parte das autoridades e inclusive da própria embaixada, mas não desiste e pouco a pouco vai desenrolando essa história, que passa a ficar pior quanto mais se descobre.

Afeganistão, Nepal e Índia são outros lugares por onde Alain passa cometendo seus crimes impunemente. Com a ajuda do casal francês Nadine e Remi, Knippenberg consegue reunir provas e monta um dossiê associando Alain a diversas mortes de jovens europeus.

O mais chocante é a tranquilidade e frieza de Alain para agir. Tanto Mariée quanto Ajay têm crises de consciência em alguns momentos. Mas ele não. Não demonstra tristeza, remorso, amor, compaixão, nada.

A história leva anos para ter um desfecho, mas ele acontece. Talvez não da maneira que se espera, mas acontece. E o que eu falei no início do texto sobre ser baseado em fatos reais, é que mais chocante ainda é pensar que esse homem existe e praticou todos esses crimes da maneira como foi retratado. Todos os personagens são reais (inclusive o macaquinho de estimação que aparece), apenas tiveram os nomes trocados para preservar sua intimidade. No fim, aparecem relatos sobre onde estão cada um deles. Emociona de ver.

Filme: Fuja

Sarah Paulson interpreta Diane, uma mãe superprotetora que cria a filha, Chloe, cadeirante – e portadora de doenças como asma, diabete e arritmia – longe de tudo e de todos. Ela estuda em casa e recebe ali todos os cuidados necessários.

Chloe é independente e se vira bem sozinha nas atividades diárias. Está sonhando com a hora de ir para a universidade e aguarda ansiosamente a resposta de sua aplicação.

Elas parecem viver muito bem – exceto pelo fato de Chloe não ter celular e não poder usar a internet sem a supervisão da mãe. Até que um fio solto chama atenção de Chloe. Sob a desculpa de troca de medicamento, Diane tenta dar à menina um remédio que ela descobre mais tarde ser algo perturbador.

O filme tem doses de suspense e mistério na medida. Sob a fachada de mãe dedicada e que ama muito a filha, aos poucos ela começa a revelar a verdadeira face e praticar abusos psicológicos com a menina.

O tempo todo o espectador se pergunta (pelo menos eu me perguntei rs) a possível explicação para Diane fazer tudo que faz com a filha. Existe um porquê, mas nada que justifique tamanha crueldade (e não vou detalhar para não dar spoiler rs). É um filme que prende, desperta curiosidade e flui super bem, apesar da temática de suspense e mistério. O final é surpreendente.

Obs.: O filme está disponível na Netflix

Dica de série: Da decoração ao makeover

da decor ao makeover 1

Que todo mundo adora uma série de decoração/reforma não é novidade. Basta dar uma rápida espiada no catálogo de opções da Netflix e afins.

Da decoração ao makeover mostra a vida e o trabalho de Shea e Syd McGee, que renova desde pequenos cômodos ou ambientes até casas completas. Inclusive a casa dos sonhos do casal, que eles fazem do zero para viver com as duas filhas pequenas.

Além do estúdio de design de interiores, o casal tem uma loja móveis e decoração que parece ser uma sensação lá nos Estados Unidos. Eles não estão para brincadeira: tudo é de muito bom gosto, e tanto as peças da loja quanto os projetos de decoração fazem muito sucesso.

O bacana é que Shea, que encabeça e dirige cada projeto pessoalmente, consegue ler e interpretar os clientes, entendendo exatamente o que eles buscam. E ela comenta que não importa se é um budget mais modesto ou cifras milionárias, o importante é que o cliente sinta que a casa reflete seu estilo pessoal. Ela diz que o design não se resume a coisas bonitas. Ele tem o poder de mudar seu modo de viver na casa.

São apenas duas temporadas de seis episódios cada, mas fuçando na internet, descobri que eles já estão gravando a terceira temporada que deve ir ao ar ainda esse ano. Super indico para relaxar a mente se deliciar com imagens lindas de casas repaginadas e o cenário encantador de Utah, nos Estados Unidos.

da decor ao makeover 2

da decor ao makeover 4da decor ao makeover 5da decor ao makeover 6da decor ao makeover 7da decor ao makeover 8da decor ao makeover 9

Filme: Soul, lançamento da Disney

A nova animação da Disney Pixar, lançada recentemente, é daqueles filmes infantis que conversam muito mais com os adultos do que com os pequenos. Otto não piscou!

A história gira em torno de Joe Gardner, músico que trabalha como professor numa escola de música para adolescentes, mas sonha mesmo em tocar numa grande banda de jazz em Nova York.

Joe é aceito em um teste e tem a chance que ele tanto esperou na vida: tocar na principal banda de jazz da cidade. Porém, nesse grande dia, acontece um acidente que o leva para o pré-vida, um lugar onde as almas ganham personalidade antes de ir para a Terra. Lá, ele tem a oportunidade de fazer uma autoanálise e “revisar” sua vida.

Quando ele consegue tocar com a banda, mesmo tendo feito sucesso, ele sai de lá com a sensação de: “ah, então era isso?”, com certo desapontamento. E então ele ouve a história do peixe, que foi uma das que mais mexeu comigo:

O peixe foi até um ancião e disse: “Estou procurando um negócio, um tal de oceano.”

“O oceano?” O ancião falou. “Você está no oceano.”

“Isso?” Disse o peixe. “Isso aqui é água. O que eu quero é o oceano.”

Às vezes, passamos nossa vida esperando pelos grandes feitos, os acontecimentos incríveis, a ideia mirabolante, e esquecemos que a vida acontece todos os dias, nas menores coisas. E precisamos apreciar todas elas.

Temas como propósito, viver intensamente, viver o momento presente, conhecer sua missão de vida e aproveitar a jornada, sem esperar apenas pelo “grande dia”, “o final feliz” e encontrar a felicidade nos pequenos momentos diários são alguns abordados.

Já deu pra perceber o quanto eu gostei, né? Poderia ficar aqui escrevendo muito mais. Mas vou me limitar a dizer: assistam! Vale muito a pena!

Dica de série: Emily em Paris

Essa série delicinha da Netflix é do mesmo criador de Sex and The City, fator de alta credibilidade e indicador de sucesso pra mim, já que sou apaixonada pela antecessora.

Emily é uma jovem que trabalha numa empresa de marketing em Chicago e, após uma mudança de planos repentina – sua chefe, que ia a Paris, descobre que está grávida e não poderá viajar – aceita passar um ano na cidade luz e levar um pouco da visão americana para a filial de lá.

Porém, quando ela chega na empresa, percebe que o emprego dos sonhos não era exatamente o que ela imaginava. Ela sofre rejeição e uma certa resistência dos novos colegas de trabalho. Ah, tem um detalhe: ela foi pra lá sem falar francês!

Mas isso não foi motivo para ela perder o rebolado. Com muita resiliência, bom humor e competência, ela mostra a que veio.

Quando chega à cidade, ela cria um perfil no Instagram para dividir sua nova vida, o @emilyinparis. Com um olhar apurado e criatividade, ela vai compartilhando cliques que se tornam cada vez mais populares.

E é esse olhar sobre o marketing nas redes sociais que ela tenta levar para os clientes da empresa em que trabalha, mas sua chefe não bota fé. Eles têm um modelo de trabalho e não querem se abrir para mudanças. Além disso, a história também fala um pouco sobre a diferença de estilo de vida entre franceses e americanos. Esses mais voltados para muito trabalho e fazer dinheiro, e aqueles, num estilo mais “slow”, acreditam que trabalham para viver, e não o contrário.

Até que um post de Emily ganha milhares de compartilhamentos e é repostado por Carla Bruni. Em outro momento, seu perfil se destaca tanto que uma grande marca de beleza a convida para ser sua embaixadora, como influenciadora digital.

Além de ser uma história gostosa de acompanhar, ela mostra a importância e real influência do marketing digital. Para tantas pessoas que trabalham com isso hoje, serve também de inspiração e fonte de criatividade. Com um olhar particular da cidade ou de algum produto específico somado a uma boa legenda, Emily consegue emplacar um conteúdo de impacto e relevância. O desejo de todos que trabalham nessa área hoje.

Acho que mais do que uma história bacana, a série traz esse olhar sobre o marketing digital, sobre a resiliência de uma menina que não desiste da nova vida e de defender aquilo em que acredita. E, por último, mas não menos importante, tudo isso é mostrado com um certo glamour trazido pela moda nos looks da Emily e suas amigas e também nos clientes da empresa. O que eu amo e me faz encher os olhos!

Você também já assistiu? O que achou?

Abaixo um bônus com algumas fotos de looks!

Dica de série: Trump, um sonho americano

Recentemente assisti a esse documentário sobre a vida de Donald Trump, presidente americano, após ouvir uma recomendação e ficar curiosa sobre a história. Não quero e nem tenho embasamento para falar sobre política, mas o que me chamou atenção aqui foi a história de vida dele.

O documentário disponível na Netflix é dividido em quatro capítulos de mais ou menos uma hora cada. Ele mostra como Trump, filho de um empreiteiro que fez a vida construindo prédios populares em Nova York trilhou seu caminho e chegou à presidência da economia mais importante do mundo.

Desde jovem ele se interessou pelos negócios do pai e seguiu o mesmo caminho, mas sempre buscando superar as conquistas do pai. Tudo dele é superlativo: o maior hotel, o maior edifício, o maior cassino, enfim.

Se mostrou obstinado desde cedo, sempre acreditando nas próprias ideias por mais malucas que elas parecessem. Teve alguns tropeços financeiros no meio do caminho. Flertou com a presidência outras três vezes antes de se candidatar de fato. E chegou a afirmar: “Só vou me candidatar quando eu tiver certeza que vou vencer”.

É polêmico na mesma proporção em que gosta de estar em evidência: se casou três vezes com festas cheias de ostentação, clichês e uma dose de cafonice. A primeira separação foi um escândalo de traição que repercutiu fortemente nos jornais de todo o país.

Gosto de assistir/ler biografias e saber um pouco mais da história de figuras assim. Não sabia quase nada da vida do Trump. E independentemente de ser favorável a ele ou não, é preciso reconhecer o autocontrole e a capacidade de projetar um sonho e conseguir alcançá-lo. Obstinação, fé (e não falo em religião, mas sim de acreditar que é possível, que se pode chegar lá, e de fato chegar) e um planejamento minucioso de cada passo.

E como ninguém é unanimidade, há depoimentos de antigos funcionários, amigos e pessoas próximas. E as opiniões são variadas: uns gostam, outros não. Como em tudo na vida.

O documentário vem à tona bem no momento em que ele deu início à corrida presidencial para tentar sua reeleição. Vamos ver o que esse capítulo da história mundial nos reserva.

Dica de série: Sunset – Milha de Ouro

A dica de hoje não é uma série super profunda, com conceitos complexos e que façam a gente pensar. É justamente o oposto: uma série para não pensar em nada, só relaxar e entreter. A bola da vez é Sunset – Milha de Ouro, disponível na Netflix.

Já estava de olho nela, mas ainda não tinha tido oportunidade de começar a assistir. Esse fim de semana estava de bobeira e já devorei quase todos os episódios! Rs A série mostra a vida de mulheres que trabalham como corretoras de imóveis em uma imobiliária de altíssimo luxo em Los Angeles, nos EUA (os valores das casas são astronômicos, chegando a 50 milhões de dólares!).

Aqui dá pra sentir um pouco do clima da série

As protagonistas são lindas, vestidas de grifes caras da cabeça aos pés, andam em carrões – uma delas é casada com o astro da série This is Us e mostram parte de sua vida e do trabalho na correta. Com uma pegada à la Kardashians, elas vivem dramas pessoais e intrigas entre elas mesmas.

O que chama atenção, na minha opinião, é poder ver e me deliciar com casas lindas, bem decoradas que mais parecem cenários de filmes, mas que são moradia da nata de LA. Como fashionista assumida, é quase como assistir a um desfile de moda com tantas marcas incríveis como Balenciaga, Chanel, Valentinho e Louis Vuitton em looks que vão do “normalzinho” até o mais statement (chamativos e com muita informação de moda) com bolsas e sapatos incríveis. Além, é claro, das discussões entre elas (o que não falta em nenhum episódio) que dão aquela pitada de barraco que a gente adora! Rs

Mas não só de glamour e ostentação vive a série. Há também os dramas pessoais, como uma das protagonistas, Mary, que foi mãe solo aos 16 e deu duro para criar o filho sozinha; Amanza, que se separou com os filhos ainda pequenos e também batalha para conseguir cuidar e sustentar os dois; e ainda Maya, que é casada, mas seu marido vive em Miami, e, com um filho pequeno, se divide entre as duas cidades para dar conta da família e do trabalho.  

São três temporadas – a terceira recém-lançada em agosto – com episódios de mais ou menos 30 minutos que passam sem ver se você se entregar e se divertir com essas Barbies da vida real. Vale para relaxar a mente!

Você já assistiu? Me conta aqui nos comentários o que achou!

Dica de série: Chesapeake Shores

chesapeake shores

Terminei essa série fofa que comecei sem nenhuma pretensão, achando mais ou menos no começo, mas que me pegou. Tipo romance leve, água com açúcar, delícia de ver antes de dormir.

Conta a história de uma família de cinco filhos com pais separados que carregam uma ferida profunda pela partida da mãe. Cada um deles mora em uma cidade diferente, até que todos voltam a morar em Chesapeake Shores, a cidade fictícia que dá nome à série.

A protagonista Abby é mãe-solo e profissional bem-sucedida do mercado financeiro que vive a vida agitada em Nova York, onde se divide entre o trabalho e o cuidado com as duas filhas, Carrie e Caitlyn. Após passar o verão na casa do pai, quando percebe que não dá mais para viver no ritmo alucinado em que estava, decide voltar e retomar uma vida mais tranquila em Chesapeake Shores e assim poder ver suas filhas crescerem.

Abby tem muito em comum  com tantas mães como nós, vida real: batalha duro para dar uma vida confortável para as filhas, ao mesmo tempo em que sente que está perdendo muito  da vida das meninas (a culpa materna), aqueles pequenos momentos que às vezes passam despercebidos quando somos atropeladas pela vida corrida. Ela é boa mãe, mas quer ser perfeita (quem nunca?) e a certa altura da história se desgasta entre trabalho, filhas e outras atividades que se propõe a organizar para proporcionar boas memórias para as filhas, como piqueniques e caça às narcejas no quintal de casa. Com o tempo, ela percebe que está desempenhando um bom papel como mãe e que ela não precisa ser perfeita para isso.

Megan é mãe de Abby e seus irmãos. Após anos de um casamento turbulento com Mick, cheio de brigas e desentendimentos, ela vai embora da cidade deixando o marido e os filhos adolescentes. Após 17 anos ela retorna para tentar retomar a relação e os laços de afeto com os filhos. Mas, apesar de explicar suas motivações para ter partido, não é tão fácil ganhar o coração de todos.

É uma série leve e bonita, que mostra as dificuldades de relacionamento de uma família, assim como de tantas outras. Diferenças de temperamento, buscas internas de cada um, conquistas, desentendimentos, casa cheia, piadas internas de irmãos… Muito gostosa de assistir. Foi minha companheira nas últimas semanas e já estou sentindo falta. São quatro temporadas na Netflix, vale a pena assistir!