Crescer, amadurecer, envelhecer, viver

Na semana em que completo mais uma volta ao sol, é inevitável não fazer um balanço do último ano e da vida como um todo.

Esse ano a energia do inferno astral bateu forte, trazendo uma inquietude além do usual, uma vontade de enorme de me recolher e refletir. Muitas perguntas ainda sem resposta.

A pessoa que um dia eu fui, já não sou mais. Muitos aprendizados e transformações me trouxeram aqui.

Uma vontade enorme de fazer tudo dar certo. Definir contornos e não permitir que os limites sejam ultrapassados – por mais difícil que possa ser na prática.

Mas a vida é assim mesmo. Cheia de nuances, novas fases e um jeito de descobrir e aprender a viver cada uma delas.

Que o tempo passou e a maturidade chegou não há dúvidas, mas sou quem eu gostaria de ser nesse momento? Em parte, sim.

Se para estarmos aqui precisamos estar em constante movimento, sigo pedalando a bicicleta da vida em busca de me tornar a pessoa que espero ser. Por ora, posso dizer que ainda preciso seguir alguns quilômetros.

Publicado por

Fabiola Mininel

Jornalista, mãe e apaixonada por moda

Deixe uma resposta